ASCES

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.asces.edu.br/handle/123456789/170
Título: Achados clínicos e laboratoriais em pacientes com dengue associados à hepatopatia: uma revisão de literatura
Título(s) alternativo(s): Clinical and laboratory findings in patients with dengue associated with liver disease: a literature review
Autor(es): SILVA, Melissa Isabelle Leite da
ALBUQUERQUE, Ana Cecília Cavalcanti de
Palavras-chave: Dengue
Hepatite viral
Dengue AND Hepatopatias
Dengue Hemorrágica,
Disfunção Hepática AND Dengue
Data do documento: 2015
Abstract: This article revisits the clinical and laboratory findings of dengue that indicate liver involvement, from 2000 - 2014. The involvement of the liver with dengue is correlated with disease severity, being more frequent in patients with the Dengue Hemorrhagic Fever ( DHF). According to studies it was observed that it is extremely important view clinical and laboratory findings in patients who have dengue virus, especially with DEN-2 and DEN-3 serotypes, which may eventually develop liver complications. Pain in the right upper quadrant, hepatomegaly and jaundice are the most frequent clinical changes evidenced in patients with severe dengue. These liver changes are consequences of the aggression of the virus; immunopathology and hepatotoxicity due to the drugs used in treatment. The biochemical markers which are more altered as has the presence of liver diseases include: AST, ALT, bilirubin, prothrombin time (PT) and creatine kinase (CK). These changes are accompanied specific laboratory diagnosis for dengue, such as ELISA for IgM and IgG antibodies for the virus and virus isolation. Dengue can present clinical and laboratory aspects consistent with hepatic impairment and thus develop into a more serious picture of the disease. However, there is still much to understand about the infection by Dengue virus and its strains, especially those related to liver diseases.
Resumo: O comprometimento do fígado na dengue está associado a uma maior gravidade da doença, sendo mais freqüente em pacientes que apresentam a Febre Hemorrágica da Dengue (FHD). O objetivo desse trabalho foi relatar os aspectos clínicos e laboratoriais da dengue associados à hepatopatia. Existe uma grande importância em se avaliar as características clínicas e laboratoriais em pacientes que tenham o vírus da dengue, principalmente com os sorotipos DEN-2 e DEN-3, pois o paciente pode desenvolver futuramente complicações hepáticas. Dor no hipocôndrio direito, hepatomegalia e icterícia são as alterações clínicas mais frequentes evidenciadas em pacientes com quadro grave da dengue. Essas alterações hepáticas são consequências da agressão do vírus; da imunopatologia e da hepatotoxidade, devido aos medicamentos utilizados no tratamento. Os marcadores bioquímicos que mais se encontram alterados, quando tem a presença de hepatopatias são: AST, ALT bilirrubinas, tempo de protrombina (PT) e creatina quinase (CK). Essas alterações vêm acompanhadas do diagnóstico laboratorial específico para a dengue, como: ELISA para pesquisa de anticorpos IgM e IgG para o vírus e isolamento viral. A Dengue pode apresentar aspectos clínicos e laboratoriais condizentes com comprometimento hepático e assim evoluir para um quadro mais grave da doença. Todavia, ainda há muito a compreender sobre as infecções pelo vírus da Dengue e suas cepas, principalmente as que estão relacionadas às hepatopatias.
URI: http://repositorio.asces.edu.br/handle/123456789/170
Aparece nas coleções:TCC - Biomedicina

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Achados clínicos e laboratoriais em pacientes com dengue ass.pdf202,22 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir    Solictar uma cópia


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.